HAMLET E OS JOGOS DE CENA

Autores

  • Midian Angélica Monteiro Garcia UFBA
  • Eduardo Reis Silva PPGAC-UFBA
  • Alessandra Leça Borges Fiterman UFRJ

DOI:

https://doi.org/10.63052/revistaolhares.v1i13.110

Palavras-chave:

campo expandido, dramaturgia, teatro, contemporâneo, arte.

Resumo

A proposta desse texto é pensar processos de montagens e remontagem de obras a exemplo de Hamlet de Shakespeare, analisando-se os espaços de bordas que reverberam experiências do fora. Pretende-se, portanto, pensar como os elementos pré-dramáticos e extra dramáticos, circunscritos nos espaços latentes nas montagens dessa obra, em suas ausências ou deslocamentos fraturam a ideia da representação. Pensar o conceito de criação a partir do olhar para os elementos do fora da cena, portanto, pressupõe analisar como remontagens potencializam alargamentos de sentidos, observando-se elementos, antes concebidos como ensaios, coxias, preparações, ruídos, pré-textos, ou mesmo pós-textos, na cena contemporânea, incorporam-se ao ato cênico, desmontando a ideia de representação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Midian Angélica Monteiro Garcia, UFBA

Doutoranda em Artes Cênicas, UFBA, Mestre em Teorias da Literatura e da Cultura, UFBA. midiangarcia@uol.com.br

Eduardo Reis Silva, PPGAC-UFBA

Doutorando em Artes Cênicas (UFBA), Mestre em Literatura e Crítica Literária (PUC-SP)

Alessandra Leça Borges Fiterman, UFRJ

Especialização em Metodologia para a educação Bilingue UniOpet. Graduação em Letras Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Referências

COHEN, Renato. Work in progress na cena contemporânea: criação, encenação e recepção. São Paulo: Perspectiva, 2004.

BECKETT, Samuel. "À espera de Godot". In: BECKETT, Samuel. Teatro de Samuel Beckett. Lisboa: Arcádia, s.d.

DANAN, Joseph. O que é a dramaturgia? 2. ed. Évora: Editora Licorne, 2010.

ESSLIN, Martin. Uma anatomia do drama. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1978.

HEATHFIELD, Adrian. ―Dramaturgia sin dramaturgo‖. En Repensar la dramaturgia. Errancia y Transformação. Murcia: Centro Párraga. 2013.

KRAUSS, Rosalind. A escultura no campo ampliado. Trad. Elizabeth Carbone Baez. Revista Gávea, Rio de Janeiro, v. 1, p. 87-93, 1985.

LEPECKI, Andre. "No estamos listos para el dramaturgo: Algunas notas sobre la dramaturgia en danza" In: VV.AA., Repensar la dramaturgia: Errancia y transformación. Publicaciones Centro Párraga/CENDEAC, 2011.

LEPECKI, André. "Verbetes-afetivos / Verbetes aflitivos". Disponível em: <http://tecidoafetivo.com/?page_id=319> Acesso em maio de 2010.

MENDES, Cleise Furtado. “A ação do lírico na dramaturgia contemporânea”. In: Revista aSPAs. Vol 5, n.2. São Paulo: USP, 2015, p.6-15.

MOTA, Marcus. Dramaturgia: conceitos, exercícios e análises. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2017.

PAVIS, Patrice. Dicionário de Teatro. 3. ed. São Paulo: Perspectiva, 2008.

RANCIÈRE, Jacques. O espectador emancipado. São Paulo: WMF; Martins Fontes, 2012.

SARRAZAC, Jean-Pierre. O futuro do drama. Tradução de Alexandra Moreira da Silva. Porto: Campos das Letras, 2002. Disponível

em: https://www.academia.edu/15301564/O_Futuro_do_Drama.

SARRAZAC, Jean-Pierre et al. (Org.). Léxico do drama moderno e contemporâneo. São Paulo: Cosac Naify, 1a edição eletrônica, 2013.

SARRAZAC, Jean-Pierre. Poética do Drama Moderno: de Ibsen à Koltès. 1a. ed. São Paulo: Perspectiva, 2017. SARRAZAC, Jean-Pierre (Org.). Léxico do Drama Moderno e Contemporâneo. São Paulo: Cosac&Naif, 2012.

SZONDI, Peter. Teoria do drama moderno. (1880-1950). São Paulo: Cosac Naify, 2001.

Downloads

Publicado

2024-04-23

Como Citar

MONTEIRO GARCIA, M. A.; REIS SILVA, E.; LEÇA BORGES FITERMAN, A. L. B. F. HAMLET E OS JOGOS DE CENA. Revista Olhares, Salvador, Brasil, v. 1, n. 13, p. 13–18, 2024. DOI: 10.63052/revistaolhares.v1i13.110. Disponível em: https://publicacoes.unijorge.edu.br/revistaolhares/article/view/110. Acesso em: 18 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos