O POTENCIAL DO TEATRO MUSICAL NA EDUCAÇÃO: UM ESTUDO DE CASO COM O MUSICAL KIMERA

Autores

  • Acácia Angélica Monteiro IFBAIANO

DOI:

https://doi.org/10.63052/revistaolhares.v1i13.111

Palavras-chave:

Teatro Musical, Educação Musical, Musicalização, Inovação Educacional, Expressão Criativa.

Resumo

Este artigo, parte do trabalho de conclusão de mestrado intitulado "Musical Kimera - Um Mundo Imaginário: Processo de Criação Musical como Recurso de Musicalização na Escola", explora um projeto de criação musical em uma instituição educacional. O objetivo foi investigar o potencial do Teatro Musical como instrumento de musicalização para os alunos. Inicialmente, o contexto histórico do Teatro Musical no Brasil é apresentado, destacando a escassez de estudos sobre sua aplicação educativa. O projeto seguiu três etapas: pesquisa bibliográfica, análise de trabalhos anteriores e criação do musical em colaboração com os alunos, com base na narrativa do jogo simulador Kimera. Os resultados revelaram melhorias significativas nas habilidades musicais, expressivas e cognitivas dos participantes, bem como no trabalho em grupo e na autoestima. Além disso, observou-se uma maior compreensão dos conceitos musicais básicos e uma conexão mais profunda com a cultura dos alunos. Destaca-se a importância do Teatro Musical como ferramenta eficaz de ensino musical e a necessidade de mais pesquisas nesse campo, valorizando sua relevância criativa e educacional. Este estudo contribui para a promoção do Teatro Musical como uma abordagem inovadora na educação musical escolar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Acácia Angélica Monteiro, IFBAIANO

Mestrado em Gestão e Tecnologias Aplicadas à Educação pela Universidade Estadual da Bahia – UNEB. Graduação em Canto pela Universidade Federal da Bahia. Professora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano. acacia.monteiro@ifbaiano.edu.br

Referências

ARAUJO. Marcone. Belting Contemporâneo: Aspectos técnico-vocais para Teatro Musical e Música Pop: 1a Ed. Brasília, DF: Musimed Edições Musicais, 2013. p. 45.

BERNARDES, Virgínia. A percepção musical sob a ótica da linguagem. Revista da Abem, 6, set, p. 73-85, 2001.

BETTLLHEIM, Bruno. A psicanálise dos contos de fadas. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1980.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. B817p Paulo Freire, educar para transformar: fotobiografia / Carlos Rodrigues Brandão. São Paulo: Mercado Cultural, 2005. p. 57.

DIDEROT, Denis. Two Plays by Denis Diderot. 2005, p. 39-40 Disponível em: <http://www.peterlang.com/download/extract/58474/extract_311363.pdf>. Acesso em: 20 jun. de 2014.

DURAND, Gilbert. A imaginação simbólica. Lisboa: Arcádia, 1979b.

DURAND, Gilbert. Les structures anthropologiques de l’imaginaire. 10.éd. Paris: Dunod, 1984.

DURAND, Gilbert. L’ imaginaire. Essai sur les sciences et la philosophie de l’image. Paris: Hatier, 1994.

DURAND, Gilbert. Champs de l’imaginaire. Textes réunis par Danièle Chauvin. Grenoble: Ellug, 1996.

KIMERA – Cidades imaginárias. Salvador, 2014. Disponível em: <http://kimera.pro.br>. Acesso em: 30 jun. 2014.

MORIN, André. Pesquisa-ação integral e sistêmica: uma antropopedagogia renovada. Tradução: Michel Thiollent. Rio de Janeiro: DP&A. 2004 p. 89-111.

OSTROWER, Fayga. Criatividade e processos de criação. 9 ed. Petrópolis: Vozes, 1993. p. 19.

PAULA, Luciano de. Cena em sala: ensino médio, volume 1. Brasília, HTC Editora LTDA, 2011. p. 15.

PICCOLO, Adriana Noronha. Canto Popular Brasileiro: A Caminho da Escola. (Monografia de Graduação). Rio de Janeiro: UNIRIO/CLA, 2003.

PIERCE, L. Teatro musical: Guia Prático de Stage Management. Giostri editora LTDA.São Paulo: 2013.

CABRAL, G.; SILVEIRA, W.; FLORENCIO, F. (2011), "Criação, Apreciação e Performance

com Suporte Digital no Ensino Básico de Música". In XX Congresso Anual da ABEM, 11, Vitória, 2011.

DIDEROT, Denis. Two Plays by Denis Diderot. 2005, p. 39-40 Disponível em: <http://www.peterlang.com/download/extract/58474/extract_311363.pdf>. Acesso em: 20 jun. de 2014.

DURAND, Gilbert. A imaginação simbólica. Lisboa: Arcádia, 1979b.

DURAND, Gilbert. Les structures anthropologiques de l’imaginaire. 10.éd. Paris: Dunod, 1984.

DURAND, Gilbert. L’ imaginaire. Essai sur les sciences et la philosophie de l’image. Paris: Hatier, 1994.

DURAND, Gilbert. Champs de l’imaginaire. Textes réunis par Danièle Chauvin. Grenoble: Ellug, 1996.

KIMERA – Cidades imaginárias. Salvador, 2014. Disponível em: <http://kimera.pro.br>. Acesso em: 30 jun. 2014.

MORIN, André. Pesquisa-ação integral e sistêmica: uma antropopedagogia renovada. Tradução: Michel Thiollent. Rio de Janeiro: DP&A. 2004 p. 89-111.

OSTROWER, Fayga. Criatividade e processos de criação. 9 ed. Petrópolis: Vozes, 1993. p. 19.

PAULA, Luciano de. Cena em sala: ensino médio, volume 1. Brasília, HTC Editora LTDA, 2011. p. 15.

PICCOLO, Adriana Noronha. Canto Popular Brasileiro: A Caminho da Escola. (Monografia de Graduação). Rio de Janeiro: UNIRIO/CLA, 2003.

PIERCE, L. Teatro musical: Guia Prático de Stage Management. Giostri editora LTDA.São Paulo: 2013.

SANTA ROSA, Amélia Martins Dias. O processo colaborativo no musical “Com a perna no mundo”: identificando articulações pedagógicas / Amélia Martins Dias Santa Rosa. – Salvador, 2012, p22.

SANTA ROSA, Amélia Martins Dias. A Construção do Musical como Prática Artística Interdisciplinar na Educação Musical / Amélia Martins Dias Santa Rosa. – Salvador, 2006, p32.

SCHINE, Maurícia e CÁSSIO, Fernandino. Educação infantil – musicalização infantil. Viçosa – CPT, 2008, p. 144.

SWANWICK, Keith. Ensinando música musicalmente. Tradução de Alda Oliveira e Cristina Tourinho. São Paulo: Moderna, 2003. Pag. 34.

WISNIK. J. M. O som e o sentido: uma outra história das músicas. São Paulo: Compahia das Letras, 1989.

Downloads

Publicado

2024-04-23

Como Citar

MONTEIRO, A. A. O POTENCIAL DO TEATRO MUSICAL NA EDUCAÇÃO: UM ESTUDO DE CASO COM O MUSICAL KIMERA. Revista Olhares, Salvador, Brasil, v. 1, n. 13, p. 193–199, 2024. DOI: 10.63052/revistaolhares.v1i13.111. Disponível em: https://publicacoes.unijorge.edu.br/revistaolhares/article/view/111. Acesso em: 18 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos