INTERSECCIONALIDADE:

CONCEITO PARA ENTENDER A VIOLÊNCIA QUE AFLIGE A MULHER E O JOVEM NEGRO.

Autores

  • Maria Arlinda de Assis Menezes IF BAIANO

DOI:

https://doi.org/10.63052/revistaolhares.v1i13.115

Palavras-chave:

Violência. Mulher negra. Jovem negro. Interseccionalidade. Direitos humanos.

Resumo

O presente trabalho propõe-se a uma análise sobre as diferentes violências que atingem as mulheres, em especial as mulheres negras, estabelecendo uma relação de interseccionalidade com a morte precoce dos jovens negros, de áreas periféricas e de baixo poder aquisitivo, no Brasil. Tal análise se funda na crença de que esses fenômenos se retroalimentam. Para tal, utilizou-se amplamente da legislação brasileira, de documentos que abordam a violência em números e de experiências que buscaram minimizar tais problemas, ainda sem resultados significativos. No Brasil, a mortalidade e outras formas de violências contra as mulheres só avançam. A cada dia são, em média, 135 estupros e 12 mortes de mulheres, os feminicídios, segundo a legislação mais atual. Pensar essas questões e torná-las visíveis são imperativos para que a sociedade possa acordar e se unir em prol de ações que vão desde a quebra de paradigmas estruturados no machismo ao entendimento de que essas violências são questões de saúde pública. O Brasil vem sangrando sangue negro há mais de quatro séculos. Trata também dos números da violência que assolam a parcela jovem da população, as estruturas históricas que permitem a perpetuação desse cenário, à luz da abordagem com enfoque em direitos humanos. Avalia a importância da difusão da informação como instrumental para empoderar os cidadãos à respeito de serem eles detentores de direitos com vistas a alteração desse cenário. Em 1980, 52,9% da população jovem morreu por causas externas. Em 1996, esse percentual elevou-se para 67,4% das causas das mortes. Nesse primeiro momento do estudo, ainda não se diferenciava essa parcela da população pela etnia. A variável utilizada era a idade. Em 2014 os estudos para o Mapa da Violência ganharam outra dimensão. Tornaram-se mais amplos, pois acrescentaram a parcela da população dos 15 aos 29 anos de idade e considerou a questão racial nesse debate. É possível identificar que os homicídios são hoje a principal causa de morte de jovens de 15 a 29 anos no Brasil, e atingem especialmente jovens negros do sexo masculino, moradores das periferias e áreas metropolitanas dos centros urbanos. Dados do SIM/Datasus do Ministério da Saúde mostram que mais da metade dos 56.337 mortos por homicídios, em 2012, no Brasil, eram jovens (30.072, equivalente a 53,37%), dos quais 77,0% negros (pretos e pardos) e 93,30% do sexo masculino.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Arlinda de Assis Menezes, IF BAIANO

Pós-doutorado pela Universidade Federal da Bahia - Programa de Pós- Graduação em Difusão do Conhecimento (DMMDC). Doutorado em Desenvolvimento Regional e Urbano. Universidade Salvador, UNIFACS, Brasil. Mestrado em Desenvolvimento Regional e Urbano. Universidade Salvador, UNIFACS, Brasil. Pós-Doutorado em Universidade Federal da Bahia, UFBA, Brasil. Professora do IF BAIANO. arlinda.menezes@hotmail.com

Referências

BRASIL. Lei no 1.390, de 03 de julho de 1951. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L1390.htm. Acesso em: 02 dez. 2017.

_____. Lei no 7.437, de 20 de dezembro de 1985.

_____. Lei no 7.716, de 05 de

_____. Lei no 10.639, de 06 de janeiro de 2003.

janeiro de 1989.

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9394.htm. Acesso em: 02 dez. 2017.

Disponível em:

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L7437.htm. Acesso em: 02 dez. 2017.

Disponível em:

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l7716.htm. Acesso em 02 dez. 2017.

_____. Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Disponível em:

Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de

Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/L10.639.htm. Acesso

em: 02 dez. 2017.

_____. Lei no 11.645 de 10 de março de 2008. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, modificada pela Lei no 10.639, de 9 de janeiro de 2003. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11645.htm. Acesso em: 02 dez. 2017.

BALBIN, Jesus. Metodología Para la Inclusión del Enfoque de Derechos en el Desarrollo Vía los Planes Instituto Popular de Capacitación – IPC. Propuesta hecha por la oficina de Naciones Unidas. Medelin, 2008,

BLAY, Eva. Assassinato de Mulheres e Direitos Humanos. Editora 34: São Paulo, 2008.

BRASIL. Lei no 6.216, de 30 de junho de 1975. Altera a Lei no 6.015, de 31 de dezembro de 1973, que dispõe sobre os registros públicos. Brasília, 2019. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L6216.htm. Acesso em: jun, 2019.

FREIRE, Paulo. Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1994.

CRENSHAW, Kimberlé. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ref/v10n1/11636.pdf. Acesso: 18, jul, 2018.

DAVIS, Angela. Mulheres, Raça e Classe. Trad. Heci Regina Candiani. 1 ed. São Paulo: Boitempo, 2016.

_____. Mulheres, Cultura e política. Trad. Heci Regina Candiani. 1 ed. São Paulo: Boitempo, 2017.

FREITAS, Lima de; MORIN, Edgar; NICOLESCU, Basarab. CARTA DA TRANSDISCIPLINARIDADE. Convento de Arrábida, Portugal, Novembro de 1994.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA (IPEA) Atlas da Violência 2017. Organizadores: CERQUEIRA, Daniel; [et al.] – Brasília:Ipea, 2017.69 p.

______ Atlas da Violência 2019. Organizadores: CERQUEIRA, Daniel ... [et al.] – Brasília:Ipea, 2019.69 p.

______ Cotistas têm melhores notas em universidades. 2008. Disponível em: http://noticias.terra.com.br/brasil/noticias/0,,OI2907127-EI306,00- Ipea+cotistas+tem+melhores+notas+em+universidades.html. Acesso: 01, nov. 2019.

MOLON, Suzana. Questões metodológicas de pesquisa na abordagem sócio-histórica. Informática na Educação: Teoria & Prática. Porto Alegre, vol 11, no 1, 2008.

OLIVEIRA, Luiza Maria Borges. Metodologia da Organização das Nações Unidas para Indicadores de Direitos Humanos / Luiza Maria Borges Oliveira / Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR) / Secretaria Nacional de Promoção dos direitos da Pessoa com Deficiência (SNPD) / Coordenação-Geral do Sistema de informações sobre a Pessoa com Deficiência; Brasília: SDHPR/SNPD, 2012.

POLÍCIA MILITAR DA BAHIA. Projeto Ronda Maria da Penha. Disponível em: https://www.mpba.mp.br/sites/default/files/biblioteca/seguranca- publica/acoesprojetos/cisp-regionais/ ronda_maria_da_penha/projeto_ronda_maria_da_penha.pdf. Acesso: 18, jul, 2018. 13:30h.

RIBEIRO, Djamila. O que é o empoderamento feminino? In: Carta Capital de 25 de setembro de 2017. Disponível em: https://www.cartacapital.com.br/revista/971/o-que-e-o-empoderamento-feminino. Acesso em: 17 jul, 2018. 00:09h.

SEN, Amartya. Desenvolvimento como liberdade. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

SOUZA, Jessé. A elite do atraso. Rio de Janeiro: Leya, 2018.

SOUZA, Lusiane. Pesquisa mostra bom desempenho de cotistas, mas discriminação continua.

Disponível em: https://xn--conexo-7ta.ufrj.br/artigos/pesquisa-mostra-bom-desempenho-de- cotistas-mas-discriminacao-continua. Acesso: 01, nov, 2019.

Waiselfisz, Júlio Jacobo. OS JOVENS DO BRASIL. Mapa da Violência, 2014. Secretaria-Geral da Presidência da República Secretaria Nacional de Juventude Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial. Brasília, 2014.

VELLOSO, jacques. Cotistas e não-cotistas: rendimento de alunos da universidade de Brasília. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/cp/v39n137/v39n137a14.pdf. Acesso: 01, nov. 2019.

Downloads

Publicado

2024-04-23

Como Citar

DE ASSIS MENEZES, M. A. INTERSECCIONALIDADE: : CONCEITO PARA ENTENDER A VIOLÊNCIA QUE AFLIGE A MULHER E O JOVEM NEGRO. Revista Olhares, Salvador, Brasil, v. 1, n. 13, p. 19–32, 2024. DOI: 10.63052/revistaolhares.v1i13.115. Disponível em: https://publicacoes.unijorge.edu.br/revistaolhares/article/view/115. Acesso em: 18 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos