PERSPECTIVAS TEÓRICO-METODOLÓGICAS NA PRÁXIS EDUCATIVA COM TRABALHADORES DA ALIMENTAÇÃO, NO CONTEXTO DA SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL

Autores

  • Gizane Ribeiro de Santana Universidade Federal do Recôncavo da Bahia
  • Lilian Miranda Magalhães Centro Universitário Jorge Amado

Palavras-chave:

Educação em Saúde, Educação Alimentar e Nutricional, Educação Popular, Alimentação e Nutrição, Segurança Alimentar e Nutricional

Resumo

O texto sustenta, que a intervenção educativa no âmbito da Segurança Alimentar e Nutricional (SAN), pode resguardar elementos de uma educação libertadora, visto que o público-alvo implicado pertence, principalmente, a classes populares. Propõe uma estratégia educativa embasada na linha freiriana, tendo por base “Círculos de investigação temática”. Um primeiro movimento, a construção organizada (codificada) pelo pesquisador, a palavra transcrita da narrativa dos trabalhadores, ou a sistematização de suas experiências, que em segundo movimento é submetida a reflexão pelos agentes implicados, permitindo que sejam protagonistas do seu processo formativo. O terceiro movimento apresenta conteúdos experienciais sistematizados e analisados pelo pesquisador, ao grupo, procedendo uma interpretação, “hermenêutica coletivizada”, que pode fazer emergir os pontos em que a intervenção se dará, tomando para si o processo decisório. O quarto movimento, nasce na Educação Alimentar e Nutricional, ao reunir saberes comuns e/ou tradicionais do grupo, em uma tessitura reflexiva que adentre os saberes científicos, sem, contudo, priorizá-los. Escritas de cunho etnográfico e técnicas de pesquisa qualitativas, tendem a colaborar para compor um corpus inicial, uma teoria compreensiva, que se concebe a partir de um círculo de análise e reanálise pelos implicados, para estruturar o componente avaliativo e ajuizar uma intervenção educativa no campo da alimentação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gizane Ribeiro de Santana, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia

Doutora em Alimentos, Nutrição e Saúde, Escola de Nutrição/UFBA. Mestre em Saúde, Ambiente e Trabalho, Faculdade de Medicina/UFBA. Professora Adjunta da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, Centro de Ciências da Saúde. Atua na área de Alimentos/Alimentação para Coletividades.

Lilian Miranda Magalhães, Centro Universitário Jorge Amado

Doutora em Alimentos, Nutrição e Saúde, Escola de Nutrição/UFBA. Mestre em Alimentos, Nutrição e Saúde, Escola de Nutrição/UFBA. Professora do Centro Universitário Jorge Amado – UNIJORGE. Pesquisadora do Núcleo de Estudos e Pesquisas em Alimentação e Cultura – NEPAC/UFBA. Atua na área de Saúde Coletiva.

Referências

AKUTSU, R. C. et al. Adequação das Boas Práticas de Fabricação em serviços de alimentação. Rev. Nutr., v. 18, n. 3, p. 419-427, maio/jun. 2005.

BEZERRA, A. C. D. O fator social, a representação social e o discurso do sujeito coletivo. In: BEZERRA, A. C. D. Alimentos de Rua no Brasil e Saúde Pública. São Paulo: Annablume, 2008.

BRUNO, P. Alimentos Seguros: A Experiência do Sistema S1. Boletim Técnico Senac: a R. Educ. Prof., Rio de Janeiro, v. 36, n. 1, jan. / abr., 2010.

CARDOSO, R. C. V.; SANTOS S. M. C.; SILVA E. O. Comida de rua e intervenção: estratégias e propostas para o mundo em desenvolvimento. Ciênc. Saúde Coletiva. v.14, n. 4, p. 1215-1224, 2009.

CERTEAU, M.; GIARD, L.; MAYOL, P. A invenção do cotidiano 2. Morar, cozinhar. Traduzido por: Ephraim F. Alves e Lúcia Endlich Orth. 12. ed. Petrópolis: Vozes, 2013.

DÓRIA, C. A. A culinária materialista: Construção racional do alimento e do prazer pelo gastronômico. São Paulo: Senac, 2009. ISBN: 978-85-7359-761-5.

DOUGLAS, M. Pureza e perigo. Ensaio sobre a noção de poluição e tabu. Tradução de Sónia Pereira da Silva, Lisboa: Edições 70. ISBN 972-44-0794-2, 1991.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 11. ed. São Paulo: Paz e Terra; 1987.

GERMANO, P. M. L.; GERMANO, M. I. S. Higiene e Vigilância Sanitária de Alimentos. 2.ed. São Paulo: Varela, 2003.

MACEDO, R. S. A etnopesquisa critica e multireferencial nas ciências humanas e na educação. Salvador: Edufba, 2004.

______. Compreender/mediar a formação o fundante da educação. Brasília: Liber Livro, 2010.

______. Pesquisar a experiência compreender/mediar saberes experienciais. Curitiba: CRV, 2015.

______. GALEFFI, D.; PIMENTEL, A. Um rigor outro. Sobre a questão da qualidade na pesquisa qualitativa: Educação e Ciências Antropossociais. Salvador: Edufba, 2009.

MAGALHÃES, L. M. A higiene dos sentidos e os sentidos da higiene para as baianas de acarajé da cidade de salvador, Bahia. 2012, 105 fl. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Alimentos, Nutrição e Saúde. Escola de Nutrição. Universidade

Federal da Bahia. Salvador, 2012.

MAGALHÃES, M. L.; BORGES-ANDRADE, J. E. Auto e hetero-avaliação no diagnóstico de necessidades de treinamento. Estudos de Psicologia. v. 6, n. 1, 33-50, 2001.

OPAS. Organização Pan-Americana da Saúde. Codex Alimentarius. Higiene dos Alimentos – Textos Básicos. Agência Nacional de Vigilância Sanitária; Food and Agriculture Organization of the United Nations. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde, 2006. 64 p.: il.

PEREIRA-SANTOS, et al. Características higienicossanitárias da comida de rua e proposta de intervenção educativa. Rev. Baiana de Saúde Pública, v. 36, n .4, p .885-898 out. / dez. 2012.

POUPART, J. A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos. Traduzido por: Ana Cristina Nasser. 4. ed. Petrópolis: Vozes, 2014.

RÊGO, J. C.; STAMFORD, T. L. M.; PIRES, E. M. F. Proposta de um programa de boas práticas de manipulação e processamento de alimentos para unidades de alimentação e nutrição. Rev. Higiene Alimentar, v. 15, n. 89, p. 22-27, out. 2001.

SACCOL et al. Importância de treinamento de manipuladores em Boas Práticas. Disc.Scientia. Série: Ciências da Saúde, v. 7, n. 1, p. 91-99. 2006. Disponível em:<http://sites.unifra.br/Portals/36/CSAUDE/2006/importancia.pdf>. Acesso em: 14 nov. 2014.

SANTANA, G. R. Os Sentidos do trabalho na alimentação coletiva. Um estudo sócio antropológico a partir da perspectiva de trabalhadores de uma cozinha industrial do Polo Petroquímico de Camaçari - Bahia. 2010, 112 fl. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Saúde, Ambiente e Trabalho. Faculdade de Medicina. Universidade Federal da Bahia. Salvador, 2010.

SANTOS, V. A. et al. Perfil dos consumidores de alimentos de rua. Rev. Baiana de Saúde Pública, v. 36, n. 3, p.777-791, jul./set. 2012.

SENNETT, R. O artífice. 1943. Traduzido por: Clóvis Marques. 5. Ed. Rio de Janeiro: Record, 2015.

STRECK, D. R. Educação Popular e Docência. 1. ed. São Paulo: Cortez, 2014.

WHO. WORLD HEALTHY ORGANIZATION. Doenças de origem alimentar: enfoque para educação em saúde. Traduzido por: D. Tommasi. São Paulo: Rocca, 2006.

Downloads

Publicado

2022-06-05

Como Citar

SANTANA, G. R. de; MAGALHÃES, L. M. PERSPECTIVAS TEÓRICO-METODOLÓGICAS NA PRÁXIS EDUCATIVA COM TRABALHADORES DA ALIMENTAÇÃO, NO CONTEXTO DA SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL. Revista Olhares, Salvador, Brasil, v. 1, n. 12, p. 75–88, 2022. Disponível em: https://publicacoes.unijorge.edu.br/revistaolhares/article/view/20. Acesso em: 21 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos