ASSISTÊNCIA PSICOLÓGICA NA PROMOÇÃO DE SAÚDE MENTAL DA MULHER NEGRA EM CONTEXTO DE VULNERABILIDADE SOCIAL

Autores

  • Ademar Rocha da Silva Faculdade Irecê
  • José Marcos Teixeira de Alencar Filho UFRPE
  • Carlos Alberto Ferreira Danon Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública
  • Tainara de Jesus Faculdade Irecê
  • Carolina Oliveira Bomfim Faculdade Irecê

Palavras-chave:

Mulher Negra, Saúde Mental, Vulnerabilidade Social, Psicologia e Racismo

Resumo

O estudo aborda a necessidade de promover saúde mental às mulheres negras em contexto de vulnerabilidade social, bem como as possibilidades de atuação em psicologia nesse cenário, considerando o processo histórico experienciado, do período de escravização à contemporaneidade. A pesquisa objetiva compreender como a assistência psicológica pode auxiliar na promoção à saúde mental da mulher negra em situação de vulnerabilidade social. Os objetivos específicos consistem na identificação dos impactos psicológicos sofridos por essa população, em discorrer a importância de promover saúde mental à mulher negra e discutir como a psicologia se efetiva no contexto da vulnerabilidade da mulher negra frente à sociedade. O método configurou-se como uma revisão narrativa da literatura, de abordagem qualitativa, a partir da busca dos descritores selecionados, em bases de dados on-line entre os anos de 2012 e 2022. A sistematização e o tratamento das informações ocorreram de acordo com a análise de conteúdo proposta por Bardin. Observou-se os fatores que inferiorizam a população negra feminina como sendo os responsáveis pelo seu adoecimento psíquico, além disso, o atravessamento do preconceito e discriminação racial na vida dessa mulher, dificulta seu acesso a serviços de saúde física e mental, contudo, notou-se a existência de políticas voltadas para a saúde da mulher negra. Perante os desafios referentes às poucas produções científicas que tratavam da temática, percebeu-se amplas possibilidades de explorá-lo, visto que trata-se de uma reflexão inesgotável devido as suas diversas nuances que partem da construção de uma identidade pautada na realidade psíquica, econômica e social singular da mulher negra

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ademar Rocha da Silva, Faculdade Irecê

Mestrando em Psicologia pela Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública (EBMSP); Especialista em Gestão em Saúde pela Universidade do Estado da Bahia (UNEB), docente do curso de Psicologia da Faculdade Irecê (FAI).

José Marcos Teixeira de Alencar Filho, UFRPE

Doutor em Biotecnologia pela Rede Nordeste de Biotecnologia (RENORBIO - UFRPE), Mestre em Recursos Naturais do Semiárido pela Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF).

Carlos Alberto Ferreira Danon, Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública

Doutor em Medicina e Saúde Humana pela Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública (EBMSP), Mestre em Educação e Contemporaneidade pela universidade do Estado da Bahia (UNEB).

Tainara de Jesus, Faculdade Irecê

Discente do curso de Psicologia da Faculdade Irecê (FAI).

Carolina Oliveira Bomfim, Faculdade Irecê

Discente do curso de Psicologia da Faculdade Irecê (FAI).

Referências

ALVES, M. V. O Movimento da Mulher Negra Brasileira: Historia Tendência e DilemasContemporâneos. Geledés, 2015, v. 1.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional de Saúde Integral da População Negra:uma política para o SUS. 3 ed. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa.Departamento de Articulação Interfederativa. Temático Saúde da População Negra. Painel de Indicadores do SUS; v. 7, n. 10. Ministério da Saúde, Brasília, 2016.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: SenadoFederal:Coordenação de Edições Técnicas, 2016.

BRASIL. Para uma história do negro no Brasil. Rio de Janeiro: Biblioteca Nacional, 1988.

BRASIL. Organização das Nações Unidas. Declaração Universal dos Direitos Humanos,1948. Disponível em: <https://www.unicef.org/brazil/declaracao-universal-dos-direitos- humanos>. Acesso em: 12 de setembro de 2021.

CABECINHAS, R. Preto e Branco: a naturalização e discriminação racial. Ed. 1. Campodas Letras, 2007.

CHEHUEN N. J. A. Et al. Política Nacional de Saúde Integral da População Negra: implementação, conhecimento e aspectos socioeconômicos sob a perspectiva dessesegmentopopulacional. Ciência & Saúde Coletiva (Online). V. 20, 2015.

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA. Relações Raciais: Referências Técnicas paraatuação de psicólogas/os. Brasília: CFP, 2017.

COSTA, E. S. Racismo como metaenquadre. Rev. Inst. Estud. Bras., São Paulo, n. 62,pág.146-163, dezembro, 2015.

CUSTÓDIO, M. S. Mulher Negra: da inserção na história a inserção na propaganda. Revistade Iniciação Científica da FFC, v. 5, 2005.

DANIN, R. A. A construção do Racismo Institucional Sistêmico e seu Reflexo na SegurançaPública Brasileirauma. Revista direitos, trabalho e política social, Cuiabá, v.4, 2018.

DAMASCENO, M. G; ZANELLO, V. M. L.. Saúde Mental e Racismo Contra Negros: Produção Bibliográfica Brasileira dos Últimos Quinze Anos. Psicol. Cienc. Prof., Brasília,v.38, n. 3, pág. 450-464, setembro, 2018.

DAVID, L. O. Feminismo negro em Criciúma. Trabalho de Conclusão de Curso;(Graduaçãoem direito) - Universidade do Extremo Sul

Catarinense, 2018.

FIORATI, R. C; ARCÊNCIO, R. A; SOUZA, L. B. As iniquidades sociais e o acesso à saúde:desafios para a sociedade, desafios para a enfermagem. Rev. Latino-Am. Enfermagem, São Paulo, 2016.

FRANÇA, A. M. B., SILVA, J. M. O. Mulheres em Situação de Vulnerabilidade: umolhar àluz da fenomenologia social. Rev. Enfermagem UFPE online, Recife, 2016.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6 ed. São Paulo : Atlas, 2008.

GOUVEIA, M; ZANELLO, V. Psicoterapia, raça e racismo no contexto brasileiro:experiências e percepções de mulheres negras. Psicologia em Estudo [online]. 2019.

GOUVEIA, M.; ZANELLO, V. Saúde mental e racismo contra negros: produção bibliográfica brasileira dos últimos quinze anos. Psicologia:

Ciência e Profissão,38 (3), 1-15, 2018.

HOOKS, B. “E eu não sou uma mulher?”: Mulheres negras e feminismo. 2ª Ed. RiodeJaneiro: Rosa dos Tempos, 2020.

LAGES, S. R. C. Et al. Pesquisas em Psicologia Social no Campo da Saúde da PopulaçãoNegra no Brasil. Revista de Psicologia da UNESP, São Paulo, 2014.

LOPES, F.; WERNECK, J. Saúde da população negra: da conceituação às políticas públicas de direito. In: WERNECK, J. (Org.). Mulheres negras: um olhar sobre as lutassociais e aspolíticas públicas no Brasil. Criola e Fundação Heinrich Böll, Rio de Janeiro 2010.

MARTINS, T. V; LIMA, T. J. S; SANTOS, W. S. O efeito das microagressões raciais degênero na saúde mental de mulheres negras. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro,v. 25,2020.

MAIORGA, C. Algumas reflexões sobre raça e racismo no Brasil. Pesquisas ePráticaspsicossociais [online], n.4, vol.12, 2017.

MIRANDA, R.O.; APOLINAIRE, P.J.J. A saúde mental e fatores de risco relevantes. Rev. Cubana Gen. Med. Integr. V 19, Nº.4, p.1, 2006.

OLIVEIRA, M. L. P., MENEGHEL, S. N. e BERNARDES, J. S. Modos de subjetivação de mulheres negras: efeitos da discriminação racial. Psicologia & Sociedade; v. 21, 2009.

OLIVEIRA, F. Oficinas mulher negra e saúde. Belo Horizonte: Mazza, 1998.

PAIM, A. S., PEREIRA, M. E. Aparência física, estereótipos e discriminação racial. Ciências& Cognição, v. 16 (1), 2011.

PINTO, M. C. C; FERREIRA, R. F. Relações Raciais no Brasil e a Construção da Identidadeda Pessoa Negra. Pesquisas e Práticas Psicossociais. São João Del. Rei, 2014.

RESENDE, L. C. A Psicologia como ciência e ação no enfrentamento ao racismo. UFMG,Belo Horizonte, 2019.

ROTHER E. T. Revisão sistemática X revisão narrativa. Acta paul. Enferm., SãoPaulo,2007.

RIBEIRO, D. Quem tem medo do feminismo negro?. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

RIBEIRO, D. Pequeno Manual Antirracista. 1. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

SACCO, A. M., DE PAULA C. M. C. P., KOLLER, S. H. Revisão Sistemática de Estudos daPsicologia Brasileira sobre Preconceito Racial. Temas em Psicologia, 2016, vol. 24.

SANTOS, S. B. A área de saúde da mulher negra: considerações sobre racismo institucional. In: Cadernos do Lepaarq, 2019, v. XVI.

SÌLVA, M. L. Racismo e os efeitos na saúde mental. I Seminário Saúde da PopulaçãoNegra. Programa de Atenção à Saúde da População Negra da Universidade Federal da Bahia. 2004.

SILVA, S. K. V; SOUZA, A. B. A Identidade na Atualidade da Mulher Negra no Brasil. Paraná, 2017.

SILVA, F. Et al. A Saúde da Mulher Negra em foco: Análise da Produção Científicana BDTD. XX Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação – ENANCIB.Florianópolis – SC, 2019.

SOUZA, A. N; DA SILVA, L. M. F. Impactos do Racismo na Saúde Mental da PopulaçãoNegra Brasileira. Revista Psicoatualidades, Belém do São Francisco-PE,v.1, n.1, 2021.

TAVARES, J. S. C; KURATANI, S. M. de A.. Manejo Clínico das Repercussões do Racismoentre Mulheres que se “Tornaram Negras”. Psicol. Cienc. Prof., Brasília,v.39,2019.

TAVARES, N. O; OLIVEIRA, L. V; LAGES, S. R. C.A percepção dos psicólogos sobre o racismo institucional na saúde pública. Saúde debate. Rio de Janeiro, v. 37, Dezembro, 2013.

VEIGA, L. M. Descolonizando a psicologia: notas para uma Psicologia Preta. Fractal, Rev.Psicol., Rio de Janeiro, v. 31, p. 244-248, Dezembro de 2019.

WERNECK, J. Racismo institucional e saúde da população negra. Saúde soc., São Paulo,v.25, n. 3, 2016.

WESCHENFELDER, V. I; FABRIS, E. T. H. “Tornar-se mulher negra: escrita de si em um espaço interseccional”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 27, n. 3, 2019.

ZAMORA, M. H. R. N. Desigualdade racial, racismo e seus efeitos. Fractal, Rev. Psicol.,Riode Janeiro, v. 24, n. 3, pág. 563-578, dezembro de 2012.

Downloads

Publicado

2022-06-05

Como Citar

SILVA, A. R. da; ALENCAR FILHO, J. M. T. de; DANON, C. A. F.; JESUS, T. de; BOMFIM, C. O. ASSISTÊNCIA PSICOLÓGICA NA PROMOÇÃO DE SAÚDE MENTAL DA MULHER NEGRA EM CONTEXTO DE VULNERABILIDADE SOCIAL. Revista Olhares, Salvador, Brasil, v. 1, n. 12, p. 183–202, 2022. Disponível em: https://publicacoes.unijorge.edu.br/revistaolhares/article/view/66. Acesso em: 21 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos